segunda-feira, 16 de novembro de 2020

O Dia Mundial da Bolota e o "Verão de São Martinho"

Quando decidimos escolher a data do Dia Mundial da Bolota - 10 de Novembro - tivemos em consideração três aspetos:

- Todas as espécies de carvalhos devem estar em plena produção;

- As espécies de folha caduca ainda deverão apresentar as folhas, de modo a facilitar a sua identificação (na realidade, a época de produção antecede a queda das folhas nas espécies caducas e marcescentes);

- As condições meteorológicas deverão favorecer as atividades ao ar livre.

Os dois primeiros aspetos colocariam este dia algures entre meados de Outubro e o final de Novembro/inícios de Dezembro.

O que realmente foi decisivo foi o terceiro aspeto...e lembrámo-nos do "Verão de São Martinho".

O dia de São Martinho assinala-se a 11 de Novembro e nesta altura o tempo costuma estar bastante agradável, permitindo desfrutar do exterior, e assim "encostámos" a nossa data a esta, precedendo-a.

Imagem obtida em https://sicnoticias.pt/pais/2018-11-12-Verao-de-Sao-Martinho-tarda-mas-nao-falha

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) disponibilizou no seu site o texto "Verão de S. Martinho: do mito à realidade e da Europa Continental aos Açores". Nele poderão saber um pouco mais sobre este evento climático.

Para saberem mais sobre o "Verão de São Martinho" cliquem aqui.

terça-feira, 10 de novembro de 2020

É hoje o Dia Mundial da Bolota

 Mais um ano, mais um Dia Mundial da Bolota.

Infelizmente, sem as habituais atividades em grupo...mas podemos continuar a recolher e semear bolotas de carvalhos autóctones, ainda que de um modo mais solitário.

Simbolicamente, deixamos-vos a imagem de um resistente solitário.

Este Quercus faginea é o único exemplar desta espécie num raio de vários quilómetros. Nesta zona do concelho da Covilhã existem vários povoamentos de carvalho-negral, além de sobreiros e algumas azinheiras. Este indivíduo é pois uma verdadeira relíquia.



Felizmente, as suas bolotas não se encontram em confinamento e já estão a comemorar a data que hoje se assinala!

Bom Dia Mundial da Bolota.

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

Já apanharam as vossas bolotas?

 Apesar das restrções pandémicas, ainda foi possivel recolher estas bolotas de sobreiro. Estão com muito bom aspeto, não estão?


Infelizmente, foi uma recolha mais solitária, mas melhores dias virão. E esperemos que sejam dias com maior sustentabilidade também.


Se por acaso ainda não recolheram bolotas, saibam que ainda há muitas para apanhar...no entanto, algumas já "fugiram"! Não se atrasem!

sábado, 7 de novembro de 2020

Um Dia Mundial da Bolota diferente...

 As atuais limitações pandémicas não irão permitir grandes atividade no próximo Dia Mundial da Bolota. 

Mas como sempre referimos, esta data pode ser comemorada em qualquer outro dia.

Imagem obtida de redbubble.com


Assim, e apesar das limitações, se for possível fazer a recolha de bolotas de carvalhos autóctones e a sua sementeira (em vasos ou no campo) nas semanas seguintes, no próximo ano teremos mais carvalhitos, e com isso um ambiente melhor.

segunda-feira, 2 de novembro de 2020

Manual ilustrado de espécies da flora portuguesa

Um dos grandes motivos para a preservação das nossas florestas autóctones é a preservação da biodiversidade a elas associada.

Quando nos referimos a uma floresta, devemos ter sempre em perspetiva que a "área de influência" de um determinado conjunto de árvores não se esgota nas sombras das suas copas.


Além do subcoberto de um bosque, das clareiras que entretanto se formam, dos habitats subterrâneos que se desenvolvem, das dinâmicas dos fluxos hidrológicos e de nutrientes que são compartilhados por diversos ecossistemas, a biodiversidade proporcionada por uma floresta autóctone estende-se muito para além dela (ex.: as folhas dos carvalhos ao serem decompostos nos rios influenciam os habitats aquáticos a juzante de um modo distinto do efeito nefasto das folhas de eucaliptos no input orgânico dos cursos de água).


Manual ilustrado de espécies de flora portuguesa (vol. II)

São muitas as espécies de plantas que podemos encontrar ao logo do nosso território, consequência direta ou indireta das dinâmicas dos nossos principais ecossistemas naturais, os carvalhais.

A Direção Geral da Agricultura e Desenvolvimento Rural possui uma mediateca onde encontramos algumas obras de grande interesse, tal como o "Manual ilustrado de espécies da flora portuguesa (volumes I e II)" aos quais poderão aceder nos links abaixo das imagens anteriores.

Boas descobertas!

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

Biodiversidade na cidade de Lisboa (curta-metragem)

Deixamo-vos aqui "uma curta metragem documental sobre a biodiversidade da cidade de Lisboa e o trabalho que o LxCras tem vindo a desenvolver enquanto centro de recuperação de animais selvagens."


Salientamos a referência ao Parque de Monsanto, uma "floresta citadina", muito povoada por Quercus.

Podemos sempre encontrar nas nossas cidades e vilas jardins cheios de biodiversidade...e de preferência com carvalhos autóctones.

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

As lições de sustentabilidade que a cortiça dá (in jornal Píblico)

 Deixamo-vos aqui um pequeno vídeo, do jornal público, sobre a sustentabilidade associada à produção de cortiça.


O original pode ser encontrado neste link: 

https://www.publico.pt/2020/08/08/video/licoes-sustentabilidade-cortica-20200806-145530



sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Árvores de Interesse Público em Portugal

No site do ICNF encontramos a seguinte informação, relativa a Arvoredo de Interesse Público (Link para AIP):

"Árvores Monumentais de Portugal

Devido ao clima propício, existem em Portugal árvores que se distinguem doutras das suas espécies pelo porte, desenho, idade, raridade, interesse histórico ou paisagístico e são estas árvores que o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas considera como “Monumentais”, classificando-as de Interesse Público.

Estas árvores apresentam um valor patrimonial elevado, tendo algumas delas ligação direta com a nossa história e cultura. Tratam-se de exemplares que se encontram isolados ou em conjunto, localizados muitas vezes em jardins públicos, no meio urbano e em diversos locais emblemáticos, tais como igrejas, ermidas e fontes, entre outros."

Este site disponibiliza uma base de dados sobre AIP (Link para pesquisa).

A título de exemplo, referimos o carvalho-alvarinho do terreiro do Santuário de São Silvestre, na União das Freguesias de Cardielos e Serreleis, em Viana do Castelo (ver imagem e link abaixo).

Carvalho-alvarinho classificado no monte de São Silvestre, União das Freguesias de Cardielos e Serreleis (Viana do Castelo). Ver link original

Recentemente, foi publicado um artigo (Artigo Paulo Mourão e Vitor Martinho) em que se refere o potencial desaparecimento de muitas árvores de interesse público potencial e tece algumas considerações relevantes sobre o processo de classificação.

Este tema foi notícia em vários órgão de comunicação social. Deixamo-vos aqui alguns links:






E pela vossa terra, acham que há por aí árvores que mereçam a nossa especial atenção, nomeadamente alguns carvalhos? Porque não classificá-los? Ficariam melhor protegidos e poderiam despertar uma maior consciência ambiental e de pertença da comunidade.

terça-feira, 7 de abril de 2020

Quantos carvalhos deveriam existir em Portugal? (2)

Para respondermos à questão "Quantos carvalhos deveriam existir em Portugal?", e partindo dos dados do post anterior, teremos que fazer os seguintes cálculos:

Área de Portugal continental: 8.901.500 ha


Área de Portugal continental correspondente ao habitat de dominância dos carvalhos (sobreiros + azinheiras + restantes carvalhos):

8.901.500 ha      X      0,8     =     7.121.000 ha


Assumindo que a densidade seria de 200 carvalhos por hectare:

7.121.000     X     200     =     1.424.200.000 bolotas/carvalhos


Ou seja, de acordo com os dados, em Portugal continental "deveriam" existir naturalmente cerca de

1.500.000.000 carvalhos

(mil e quinhentos milhões de bolotas que teriam germinado e originado carvalhos adultos)

Carvalhos deste porte já são muito pouco comuns em Portugal continental.

Obviamente que todos estes dados são pouco fiáveis, pois existem muitos outros fatores que teríamos que considerar, mas não deixa de ser um número "infinitamente" superior ao que atualmente se verifica...e que dá que pensar!

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Quantos carvalhos deveriam existir em Portugal? (1)

Recentemente, colocámos a seguinte questão aos nossos alunos:

"Considera que num carvalhal natural a densidade de indivíduos adultos é de 200/ha (1 hectare = 10.000 m2) e que 80% da superfície de Portugal continental corresponde ao habitat de dominância dos carvalhos (Quercus sp.). Considera igualmente que a área de Portugal continental é de 89.015 km2.

Calcula o número de bolotas que teriam de germinar e originar carvalhos adultos de modo a que toda a área de Portugal continental onde os carvalhos naturalmente se distribuem ficasse ocupada por estas espécies, no caso de não haver interferência humana."


Imagem obtida deste link (nota: estas bolotas são de carvalhos da América do Norte)

Por outras palavras, "Sem a interferência do Homem - e considerando válidos os dados - quantos carvalhos adultos (árvores) deveriam existir em Portugal continental?".

Conseguem responder?

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Distribuição dos carvalhos arbóreos autóctones em Portugal

Existem referências à distribuição dos carvalhos (Quercus sp.) arbóreos autóctones de Portugal um pouco por todo este blog. No entanto, estava em falta a publicação de um mapa sucinto e colorido sobre este tema. Aqui o têm.


Zonas de dominância dos carvalhos arbóreos autóctones de Portugal.

Este mapa foi extraído de um artigo do jornal "Público" sobre a floresta portuguesa, o qual pode ser consultado a partir do seguinte link: Jornal Público: Rica versátil generosa: eis a floresta portuguesa

Nota importante: na zona de dominância de uma determinada espécie de Quercus ocorrem  também outras espécies de carvalhos. O sobreiro, por exemplo, apresenta a sua área de dominância no quadrante Sudoeste de Portugal, apesar de se encontrar distribuído em todo o território continental português.




sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

O nosso contributo para o Dia Mundial da Floresta Autóctone

Não houve aulas nesta manhã fria, chuvosa e com nevoeiro.

Ainda assim, ao invés de irem para um lugar mais quentinho, os "plantadores" não faltaram à sua missão… uma Serra da Estrela com mais floresta autóctone.

Quem por acaso ainda não compreendeu o interesse (e empenho) dos jovens para com o meio ambiente talvez fique um pouco mais esclarecido com esta atividade!!!

Por hoje ficam só algumas fotografias...brevemente atualizaremos este post com mais informações deste dia.














sábado, 7 de dezembro de 2019

Cidadania e Desenvolvimento - uma grande oportunidade para as bolotas e para a Educação Ambiental

Recentemente foi criada a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento no nosso sistema de ensino (para conhecer um pouco mais)

Esta disciplina é uma excelente oportunidade para o desenvolvimento de projetos de Educação Ambiental nas escolas.

Tendo o Dia Mundial da Bolota "germinado" numa escola, o surgimento desta disciplina permite o alargamento das atividades que já realizamos e constitui uma oportunidade para o lançamento de novas ideias.

Ficam aqui algumas das atividades que pretendemos desenvolver (algumas já foram realizadas) ao longo deste ano letivo. Se vos faltarem ideias, aproveitem algumas destas.

Bom trabalho


1 - SAÍDAS DE CAMPO

Conjunto de atividades com deslocação e permanência em espaços naturais.

Atividades
Descrição
1.1 Recolha de bolotas
Recolha de sementes de carvalho-negral e sobreiro em locais próximos da Covilhã.
1.2 Plantação Escola Guardiã
Plantação de carvalhos-negrais e sobreiros, resultado dos workshops de sementeira realizados na E.B.1 do Rodrigo em 2018, com alunos dos 2º e 3º anos da E.B.1 do Rodrigo sob orientação técnica do ICNF.
1.3 Dia da Floresta Autóctone
Plantação de carvalhos-negrais e azinheiras em conjunto com técnicos do ICNF.
1.4 Plantações diversas
Plantação de carvalhos-negrais e sobreiros, resultado dos workshops de sementeira realizados na ESQP em 2018, sob orientação técnica do ICNF para reforço de povoamentos já instalados
1.5 Caminhadas
Organização e realização de percursos naturais interpretativos.
1.6 Na Natureza com Biólogos
Participação no trabalho de campo de Biólogos profissionais em estudos de impacto ambiental e/ou recenseamento do Lobo Ibérico.



2 – INICIATIVAS EM ESCOLAS / INSTITUIÇÕES

Conjunto de atividades desenvolvidas em escolas/instituições do concelho (ou concelhos próximos).

Atividades
Descrição
2.1 Workshops de sementeira de bolotas
Demonstração e execução de sementeira de bolotas em vasos dedicados para obtenção de carvalhitos para plantação no outono de 2020.
2.2 Hotéis de insetos
Formação de alunos da ESQP com técnicos da Associação Guardiões da Serra da Estrela para a construção de hotéis de insetos.
Workshops em escolas/instituições em que os alunos da ESQP capacitem alunos e restante comunidade educativa para a elaboração de hotéis de insetos.
2.3 Alimentadores de aves
Formação de alunos da ESQP com técnicos da Associação Guardiões da Serra da Estrela para a construção de alimentadores de aves.
Workshops em escolas/instituições em que os alunos da ESQP capacitem alunos e restante comunidade educativa para a elaboração de alimentadores de aves.
2.4 Carvalhos de interesse municipal
Elaboração de uma proposta à CMC no sentido de se identificarem e classificarem alguns carvalhos centenários como árvores classificadas.
2.4 Sobreiros de Natal
Elaboração de uma proposta à CMC no sentido de se plantarem sobreiros em rotundas para uma futura utilização como árvore decorativa.



3 – MULTIMÉDIA, CIÊNCIA E DIVULGAÇÃO

Produção de conteúdos de divulgação.

Atividades
Descrição
3.1 Bolotas multimédia
Elaboração de pequenos vídeos a partir de guiões previamente fornecidos sobre o DMB e aspetos técnicos, ambientais e científicos da floresta quercínea autóctone.
3.2 Bologta: a bolota que tem um blog
Publicação de posts no blog “Bologta: a bolota que tem um blog”.
3.3 Exposição itinerante
Produção de painéis informativos sobre os carvalhos autóctones portugueses para se construir uma exposição itinerante.
3.4 Experimentação científica
Implementação/continuidade de experiências de germinação de bolotas e plantação de carvalhitos para controlo de variáveis.
Divulgação de resultados científicos.
Candidaturas a concursos/projetos científicos.



4 – ATIVIDADES NA ESCOLA

Conjunto de atividades desenvolvidas com a comunidade educativa da ESQP.

Atividades
Descrição
4.1 Workshops de sementeira de bolotas
Demonstração e execução de sementeira de bolotas em vasos dedicados para obtenção de carvalhitos para plantação no outono de 2020.
4.2 Plantações na escola
Plantação de carvalhitos, resultado dos workshops de sementeira realizados na ESQP em 2018, nos espaços naturais da escola.
4.3 Workshops de plantação
Demonstração e execução de plantação de carvalhitos, resultado dos workshops de sementeira realizados na ESQP em 2018, nos espaços naturais da escola.
4.4 Cafés para bolotas
Recolha de borras de café para o desenvolvimento de substratos apropriados para sementeiras.


sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

E as bolotas de 2018 deram uns ricos carvalhitos!!!

As bolotas recolhidas em 2018 foram semeadas no início de 2019.

Para tal, realizámos uma série de workshops em que construíamos vasos específicos para bolotas a partir da reutilização de um resíduo (garrafas de plástico).

As bolotas foram semeadas e informou-se dos cuidados a ter na sua manutenção ao longo de todo o ano (rega, exposição solar, etc.).

Um bom aquecimento num dia bem fresquinho - aprender a cavar!

Algumas destas sessões foram orientadas por alunos do 10º ano da E. S. Quinta das Palmeiras para alunos do 1º, 2º e 3º anos da E. B. 1 do Rodrigo (Covilhã).

Os resultados foram bastante positivos, pois praticamente todas as bolotas semeadas originaram carvalhitos bem viçosos (carvalhos-negrais e sobreiros).

As técnicas quando bem executadas são sempre eficazes, independentemente da idade dos executantes!!!

Para se fazer bem, há que aprender bem...e com quem sabe!

Neste outono voltámos a meter mãos-à-obra e procedemos à plantação, com o precioso apoio técnico do ICNF (e com o indispensável apoio da C. M. Covilhã que assegurou os transportes) e procedemos à plantação numa zona da encosta Este da Serra da Estrela.

Cada aluno levou o seu carvalhito...
...e ajudou à sua plantação (é que as enxadas são bem pesadinhas).

Estas atividades, que envolveram várias entidades -  E. S. Quinta das Palmeiras, E. B. 1 do Rodrigo, ICNF, Associação Guardiões da Serra da Estrela e Câmara Municipal da Covilhã - encontram-se integradas num projecto extremamente interessante de Educação Ambiental - "Rodrigo, Escola Guardiã"...oportunamente divulgaremos mais informações sobre ele.

Vai um sobreirito?

Um nota final bastante importante... a atividade de plantação decorreu num local onde já tinham sido efetuadas outras plantações, sendo que a maioria das árvores foram plantadas onde outras não sobreviveram.

Para uma reflorestação eficaz e duradoura, este é um dos aspetos mais importantes - plantar e gerir. Só assim é que se assegura uma reflorestação a longo prazo.

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Dia Mundial da Floresta Autóctone

Ao longo desta semana têm sido desenvolvidas várias ações de requalificação ambiental no âmbito das comemorações do Dia Mundial da Floresta Autóctone.

Amanhã será a vez de darmos o nosso contributo e plantarmos alguns dos carvalhitos criados no nosso bolotário.