quarta-feira, 4 de junho de 2014

Onde encontrar um carvalho-de-monchique?

Ao longo dos últimos meses fomos contactados por várias pessoas no sentido de disponibilizarmos bolotas de Carvalho-de-monchique (Quercus canariensis).

Apesar de termos alguns exemplares desta espécies no nosso bolotário (Carvalho-de-monchique no nosso bolotário), o seu estado "infantil" ainda não lhes permite a frutificação.

Notamos, com  agrado, que começa a haver um certo interesse na utilização desta árvore como ornamental. Desconhecemos ainda se é viável a sua plantação em zonas mais setentrionais do nosso país, mas devido à sua raridade (Habitat e distribuição) e ao facto de ser um carvalho autóctone de Portugal (Carvalho-de-monchique (carvalho-das-canárias)), parece-nos uma escolha de muito maior valor que outras espécies exóticas e, frequentemente, muito mais bonita. Para além do seu porte acentuado, a sua folha, (Caraterísticas da folha) aparentemente mais semelhante à de um castanheiro do que a um carvalho, e a sua raridade fazem desta espécie uma árvore a eleger para qualquer jardim. Talvez por desconhecimento (ou por não se dar bem com o frio?) esta planta não se encontre no leque de escolhas dos viveiristas.

Então, onde se podem encontrar estas magníficas árvores? A resposta não podia ser mais óbvia... na Serra de Monchique (e não nas ilhas Canárias, como é sugerido pelo seu nome científico - mas isso deveu-se, provavelmente, a um erro de etiquetagem na sua descrição botânica inicial).

Um pouco por toda esta serra podem ser encontrados espécimes destes carvalhos, mas um dos objetivos deste post é facilitar a busca destas plantas...

Exemplar de Carvalho-de-monchique (árvore mais à direita na imagem) misturada com sobreiros

... portanto, aqui ficam umas indicações mais específicas:

Saíndo da vila de Monchique (Algarve) pela estrada nacional 237, em direção à localidade de Alferce, percorra cerca de 1400 metros desta estrada. Após uma curva para a esquerda relativamente larga, surge um Carvalho-de-monchique de grande porte do lado direito. Esta árvore encontra-se classificada e, se a incúria ou o dolo não tiver atuado, está assinalada com uma pequena placa na sua base.

Localização do exemplar de Carvalho-de-monchique classificado

Vista de rua do google maps do exemplar de Carvalho-de-monchique classificado
(no sentido Monchique-Alferce)

Apesar deste ser, provavelmente, o maior exemplar desta espécie, muitos outros ainda existem nesta serra... mas são certamente poucos e merecem toda a nossa atenção e conservação. Se recolher bolotas desta espécie, tenha o cuidado para não interferir com o ecossistema e não pisar os pequenos carvalhitos que por lá vão crescendo.

Se a sua viagem ao Algarve for numa época em que não há bolotas, pode recolher alguns carvalhitos, mas tenha atenção ao seguinte... repare que as bermas das estradas são, frequentemente, limpas para manutenção destas vias. Nesses locais não há possibilidade de crescimento de uma árvore até ao seu estado adulto. Recolha, portanto, os pequenos exemplares apenas em locais onde os carvalhitos não terão qualquer possibilidade de desenvolvimento e nunca num local onde poderá atingir a maturidade. Deste modo, o ato de recolha não tem qualquer impacto no ecossistema.


Links de interesse:
Árvores classificadas (ICNF)
Árvores centenárias (C. M. Monchique)
Carvalho-de-monchique (blog árvores do sul)
Carvalho-de-monchique (blog dias com árvores)










2 comentários:

  1. Das quercíneas portuguesas, só me falta esta.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  2. O Quercus canariensis não existe apenas em Monchique. A espécie também ocorre no Algarve central e nas serras do sotavento. Não posso divulgar os locais porque são poucos os exemplares e estão vulneráveis. Este ano colhi bolotas num vale onde encontrei cerca de meia dúzia de carvalhos que escaparam aos grandes incêndios que assolaram a serra do Caldeirão. É bem provável que no passado esta espécie tenha sido comum em boa parte do Algarve e nas zonas mais ocidentais do Baixo Alentejo. Nas serras andaluzas há bons bosques de Quercus canariensis, recomendo a serra de Aracena na província de Huelva.

    ResponderEliminar